Reconstrução mamária

O cancro da mama é a neoplasia maligna mais frequente da mulher. Contudo, o seu rastreio eficaz, associado a novas modalidades de tratamento melhoraram significativamente a sua possibilidade de remoção, controle e cura subsequente.
Quase todas as mulheres após a mastectomia (remoção da mama) são candidatas a algum tipo de reconstrução, quer seja de forma imediata ou diferida.
A reconstrução da mama pode ser efetuada de duas maneiras: utilizando material protésico ou tecidos do próprio paciente (autólogos). As técnicas variam de indicação de paciente para paciente em função da condição dos tecidos remanescentes, disponibilidade de áreas dadoras para reconstrução, antecipação da necessidade de radioterapia, da vontade da própria doente, e preferência do cirurgião.

As várias técnicas disponíveis incluem:
- Reconstrução com expansores/próteses: geralmente com recuperação mais rápida, bons resultados em casos bilaterais, piores em casos unilaterais, já que poderá a levar assimetria relativamente à mama contralateral; alto risco de complicações no caso de necessidade de radioterapia adjuvante.
- Lipoffiling/transferência de enxertos de gordura: na nossa perspetiva ideal para complementar outras técnicas de reconstrução ou para defeitos de tumorectomia/quadrantectomia (não totais).
- Reconstrução com retalho miocutâneo de grande dorsal com ou sem prótese associada.
- Reconstrução com retalho miocutâneo transverso da parede abdominal (TRAM): transferido de forma pediculada ou livre; sacrifica o músculo reto abdominal (ainda que possa efetuar-se de forma modificada com preservação muscular).
- Reconstrução com retalho livre DIEP ( deep inferior epigastric perforator flap): transferido de forma livre, com anastomoses aos vasos mamários internos- excelente vascularização e menor probabilidade de necrose gorda; não sacrifica o músculo reto abdominal- menor incidência de deformidade abdominal; atualmente considerada a técnica gold standard para reconstrução mamária autóloga.
- Outros retalhos livres (TAP, S-GAP, TUG, SIEA)

 

Anterior

Casos Clínicos

Aviso

 

A página que está a tentar aceder contém imagens que poderão ferir a susceptibilidade dos leitores mais sensíveis! Deseja continuar?

 

Não

Sim